Woman looking at sanitary food label

31 August 2021

Trase lança aplicativo de carne bovina para empoderar os consumidores no Brasil

Woman looking at sanitary food label // Marcio Isensee e Sá

A Trase lançou um novo aplicativo para smartphone que informa os clientes de supermercados no Brasil sobre o desempenho ambiental e social dos produtos de carne que consomem.

O intuito do aplicativo Do Pasto ao Prato é enfrentar um dos maiores desafios no setor alimentício – a falta de transparência das cadeias de produção de alimentos.

Algumas empresas do setor pecuário brasileiro estão associadas a impactos, incluindo desmatamento, abusos de direitos humanos, maus tratos de animais e padrão de higiene insuficiente. Por exemplo, o setor pecuário brasileiro é o principal causador de desmatamento tropical no mundo inteiro e estima-se que represente um quinto de todos os desmatamentos relacionados a commodity nos trópicos.

Informando a escolha do cliente

Os varejistas de alimentos no Brasil fornecem pouca ou nenhuma informação sobre a origem da carne que vendem, criando um obstáculo para os clientes que querem apoiar o progresso em direção a uma agropecuária sustentável e ética.

A Trase criou o aplicativo em parceria com jornalistas investigativos do Repórter Brasil e a universidade belga UCLouvain. O aplicativo está atualmente em fase de teste e buscamos feedback de grupos da sociedade civil e empresas de todo o setor. No momento está limitado à carne bovina, mas há planos para incluir carne suína e de frango. A versão para Android pode ser baixada gratuitamente e a versão para iOS será lançada em breve.

Para usar o aplicativo enquanto faz compras, o cliente insere o código listado na etiqueta da vigilância sanitária normalmente encontrada em produtos de carne bovina e, então, seleciona o varejista onde está comprando o produto. O aplicativo mostra qual empresa produziu a carne e qual é a sua pontuação de desempenho ambiental e social de acordo com quatro indicadores: (1) desmatamento e (2) queimadas nas zonas fornecedoras de gado para os frigoríficos; (3) as multas pagas por cada frigorífico por infrações sanitárias e maus tratos de animais; e (4) os casos de trabalho forçado entre os fornecedores do frigorífico. Esses indicadores baseiam-se todos em estatísticas oficiais, disponibilizadas através do aplicativo.

“Atualmente, quando as pessoas vão ao supermercado e pegam um produto, as únicas informações que elas têm são a marca e o preço”, disse Dr. Erasmus zu Ermgassen, um pesquisador da Trase na UCLouvain. “O preço é obviamente importante – estamos passando por um momento no Brasil em que muitas famílias estão enfrentando sérias dificuldades, mas isso não é tudo.”

“Os consumidores querem saber mais”, acrescentou ele. “Eles querem saber se os produtos estão alinhados com seus valores, se são sustentáveis ou não, ou se vêm de uma empresa com maus antecedentes em matéria de segurança alimentar ou bem-estar animal. O aplicativo ajuda os consumidores a fazerem escolhas informadas – eles podem escanear vários produtos, comparar sua pontuação nas questões que são importantes para eles e decidir qual comprar.”

Do Pasta ao Prato screenshot

Do Pasta ao Prato screenshot

Preenchendo a lacuna de dados domésticos

O aplicativo ajudará a Trase a lançar uma luz sobre outro problema importante sobre o qual há falta de informação – os vínculos entre o consumo doméstico de carne no Brasil e os impactos sobre a sustentabilidade.

A Trase fornece o banco de dados mais completo do mundo sobre risco de desmatamento associado à exportação de commodities, como carne bovina e soja de países produtores, incluindo o Brasil. Mas, apenas cerca de 30% da produção de commodity é negociada internacionalmente.

O aplicativo tem uma abordagem ciência cidadã – engaja o público em geral – para aumentar a transparência na cadeia de produção da carne no Brasil, da origem ao ponto de venda. As informações, que estão disponíveis gratuitamente no site Do Pasto ao Prato , serão um recurso fundamental para a sociedade civil e as empresas se engajarem no desafio de aprovisionamento e varejo sustentável.

“O aplicativo não só conscientiza sobre as condições em que a carne é produzida, mas também cria um banco de dados sem precedentes que conecta frigoríficos a mercados varejistas, colocando em destaque um elo previamente desconhecido na cadeia de produção”, disse a Dra. Vivian Ribeiro, responsável pelos indicadores da Trase no Instituto Ambiental de Estocolmo.

“Com essas informações, os varejistas podem avançar para melhores práticas ao trazer produtos mais sustentáveis para as prateleiras dos supermercados", acrescentou ela. “Este banco de dados também pode ser utilizado por outras partes interessadas, como grupos da sociedade civil, empresas e universidades para propor estratégias sobre como aumentar a sustentabilidade no setor.”